terça-feira, 7 de julho de 2015

Partiu intercâmbio? – parte 2

Perdeu a parte 1? Clica aqui.

Tirando o frio inenarrável que fazia naquela cidade e as saudades de casa que já apertavam muito um pouco, aproveitávamos cada minutinho livre para perambular em todo canto. As atividades extra oferecidas pela escola ajudavam bastante a fazer amigos e também a viver novas aventuras. Em pouco tempo fizemos amigos de diferentes partes do mundo. Suiça, Suécia, Arábia Saudita, China, Taiwan, Espanha, França, Japão... Ufa! Tantos países e ainda corro o risco de ter esquecido alguns. 

Fazendo uma retrospectiva, o grande barato da viagem foi ver como os seres humanos são capazes de ajudar e aprender uns com os outros quando estão fora de sua zona de conforto. Na segunda semana como “americanas”, já éramos capazes de dar dicas sobre transportes e melhores restaurantes para almoçar ou jantar.


Passeando
Além de Winthrop e do centro de Boston, é impossível não se encantar com Harvard. O lugar que abriga uma das universidades mais famosas do mundo é Cambridge e parece mais uma realidade paralela do que mais um dos pontos de Boston. É lá que fica também o Massachusetts Institute of Technology (MIT). O cenário transpira saber e intelectualidade. Foi a primeira vez que saquei minha Canon da bolsa e, como boa fotógrafa, me derreti por cada cantinho. Construções históricas, figuras ilustres, um cemitério a céu aberto, uma igreja que apoia a diversidade. Eu vi de tudo! E estar ali, pela primeira vez, fez uma lágrima escorrer pelos meus olhos.



 Gastronomia
Se você viaja esperando comer só porcaria você está... correto! É praticamente impossível encontrar um pratinho básico de salada, arroz, uma carne, ou algo do tipo. Pelo menos não por um precinho camarada. Com o dólar nas alturas, procurávamos não gastar muito mais de $10 nas refeições. E isso implicava em: mil sanduiches, pizzas (muita pizza, pizza pra caramba, pizza até sair rolando) e mac and cheese (macarrão com queijo barateza no Quincy Market). 

Um aviso importante aos navegantes: americanos comem em excesso, sempre! Uma porção pequena equivalia a uma média bem servida aqui no Brasil. Várias vezes nos enganamos com o tamanho dos pedidos e tínhamos que levar para comer mais tarde ou abandonar o barco. Por isso, se não tiver muita certeza da sua fome, escolha sempre um small. 

Destaques gastronômicos de Boston podem ser resumidos em Hard Rock Café, Cheesecake Factory e Dominos Pizza (essa mesma Dominos que você está pensando).





Cafés
Brasileiro acostumado com o típico café preto pela manhã ou um espresso no final da tarde, tende a dar com os burros n’água quando chega nos EUA. O café deles não passa de uma água preta. Para mim, sem chances de tomar aquilo. Sendo assim, na rua, não faltavam opções: Starbucks e Dunkin Donuts. E daí você me pergunta: só dois nomes de cafés? Duas marcas apenas sim, mas que se multiplicavam incrivelmente pela cidade inteira. Não tinha uma só esquina em que você não desse de cara com um desses dois. Jamais nos serviam como pontos de referência para encontrar os amigos rsrs. 

Como descoberta incrível (e uma das coisas que mais sinto falta de lá), sem dúvida, foi o Dunkin Donuts. Melhor chocolate quente do mundo inteiro, atendimento super rápido, e com a possibilidade de colocar quanto creme você quisesse nos seus cafés. Para o meu gosto, batia em 100% a qualidade do Starbucks. Sobre o Dunkin resumo apenas em: muito amor no <3




Compras
No centro de Boston você encontra várias opções de lojas. Desde uma big Macys até uma portinha mocada num prédio antigo. Mas foi em Newburry Street que meu coraçãozinho de consumidora bateu mais forte. É uma rua bem chique, com um milhão de lojas à sua disposição. A grande parte delas é de marcas famosas, como Kate Spade, Chanel, Marc Jacobs, Vera Wang, entre outras. 

Mas lá também é o lugar onde habitam Forever 21 e H&M. Os típicos lugares onde você encontra calça por $9 e bolsas por $5. E tudo de qualidade! Vale muito a pena reservar uns bons trocados para encher uma malinha por lá.






See you!
Camila Alessio