sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Eu sou o mensageiro - Markus Zusak



É sempre bom ler um autor pela primeira vez, a leitura é tranquila, sem grandes expectativas. Mas, quando o escolhido das minhas prateleiras literárias foi "Eu sou o mensageiro", esperei do autor Markus Zusak um enredo tão surpreendente e cativante quanto "A menina que roubava livros". No começo acreditei que poderia me decepcionar, mas ao desenrolar da trama descobri mais uma ótima obra para a coleção.

Ed Kennedy, o protagonista, se define assim: "Sou taxista, tenho 19 anos. Não sou nada diferente dos outros jovens daqui destes subúrbios - não tenho lá muitos planos para o futuro e as possibilidades são poucas. Tirando isso, leio mais livros do que deveria, sou um zero à esquerda na cama e não entendo nada de imposto de renda. Prazer". Ed joga cartas quase todos os dias com seus amigos Marv e Ritchie, e também com a garota por quem é apaixonado, a Audrey. Ele acredita que sua vida não tem nenhum propósito, mas as cartas de um baralho especial mudam essa perspectiva.

O Às de ouros é a primeira carta que chega para Ed, nele estão três endereços com horários.  Sem entender o que é para ser feito, e desconhecendo que é o responsável pelo envio, ele começa a investigar as ruas citadas, e assim se torna o mensageiro. Em cada endereço há no mínimo uma pessoa que necessita da sua ajuda, seu trabalho é observar e agir.

Quando todas as missões do Às são cumpridas, um novo naipe aparece. Ajudando pessoas como a velhinha Milla, a corredora Sophie e a família Tatupu, Ed muda a maneira de enxergar o mundo e a si mesmo.




Mas nem tudo são flores. Kennedy apanha muito, e é obrigado a completar as mensagens, que algumas vezes são perigosas ou envolvem pessoas próximas. Enigma, amor e vida, são assuntos constantes na obra.

O que mais me chama atenção no romance é que há questionamentos naturais, construção de caráter, mas sem a preocupação de apresentar o politicamente correto, Ed fala muito palavrão e leva uma vida ao avesso dos mocinhos de tantas outras histórias. Enfim, Zusak não perde a leveza e o encantamento de sua narrativa.



"Então começa a música e ouvimos o desespero lento, quieto e doce de uma canção que não vou dizer qual é. Imagine a canção mais bonita, mais suave e mais forte que você conhece, e vai ter uma ideia. Respiramos o som, e nossos olhos se encontram."




Título: Eu Sou o Mensageiro

Autor: Markus Zusak

Nº de páginas: 318

Lançamento: Setembro de 2007

Editora: Intrínseca