quarta-feira, 18 de setembro de 2013

CONTA MAIS!


A Vanessa S. Marine, de 19 anos, trouxe muita literatura para o nosso quadro CONTA MAIS! 

Cursando Letras, ela já é uma escritora e revisora, e vai lançar seu primeiro livro, "Novembro - 281 dias para recuperar um sorriso".

A Vanessa vai dar dicas para os futuros escritores, e contar um pouco sobre sua história. Acompanhe a entrevista, vale muito a pena!

Agora você passou de leitora para escritora. Quando sentiu que estava pronta para escrever?
Essa transição de leitora para escritora, pelo menos comigo, foi diferente do normal. Eu não acordei um belo dia e disse “agora vou virar escritora e escrever um livro” ou “sempre quis ser escritora” ou algo assim. Um dia eu tive uma ideia para uma história e amei essa ideia e achei que outras pessoas também gostariam dela, por isso comecei a escrever e postar na internet. Era tudo brincadeira, diversão... Eu só queria mostrar para as pessoas aquela história que eu tanto gostei (eu meio que era leitora e fã do meu próprio livro hahaha). Só depois que meus próprios leitores me incentivaram a levar a escrita a sério, publicar livros e tudo mais, foi que eu comecei ver uma profissão naquilo. Sempre digo para as pessoas que eu não virei escritora para escrever um livro, e sim escrevi um livro para ser escritora (mas ganhar esse título só foi possível por conta dos meus próprios leitores. Devo tudo a eles).

Muitos leitores tem o sonho de publicar seu próprio livro. Como foi esta negociação, e qual é o prazo para a publicação?
A princípio eu ia publicar independente, mas nos últimos dias eu recebi uma proposta de uma editora pequena, então não sei o que será do meu livro , haha. Se o contrato com a editora compensar, eu assino; se não, eu continuo de maneira independente. 
Para quem quer publicar seu livro (ou começar a escrever) eu indico que siga esses passos:

1. Terminou o livro? Deixe-o na gaveta (ou seja, não leia-o novamente) por um mês.
2. Saiu da gaveta? Releia, reescreva e revise.
3. Releu, reescreveu e revisou? Consiga, no mínimo, três outras pessoas para que leiam o seu livro de maneira crítica.
4. Arranje um revisor (é caro, mas compensa). Embora as editoras tenham revisores, eles não têm a obrigação de corrigir os erros e tudo mais. Aliás, erros no livro normalmente fazem o editor desistir da leitora e dizer logo um “não” para sua história. O texto tem de estar limpo.
5. O livro ficou pronto? Registre-o.
6. Registrou? Agora sim mande para as editoras. Mas não mande para QUALQUER editora. Mande para as que publicam livros com a mesma temática que o seu. Se você escreve livro erótico, nunca que uma editora que publica romances religiosos vai querer saber do seu livro. Além disso, mandar livro para editora é caro, porque você gasta com a impressão, correio, etc. Algumas até recebem o material por e-mail ou CD, mas outras continuam da maneira tradicional.

Seguir esses passos ajuda e muito, mas não é a garantia que seu livro var ser publicado, principalmente se você é um zé-ninguém no mercado. Por isso, cogite a ideia de pagar uma publicação (é caro, mas se você tiver dinheiro, compensa) ou publicar de maneira independente (há várias formas de publicação independente).
Geralmente, esse processo de enviar e esperar respostas, demora cerca de 1 ano ou mais. Dentro da editora, o processo pode variar de acordo com o planejamento dela, mas a partir do momento em que eles pegam no seu livro, ele fica pronto em 3 meses ou um pouco mais.



Conte um pouco sobre a história do livro.
Meu livro se chama "Novembro" e o subtítulo é “281 dias para recuperar um sorriso”. Em vez de devanear sobre o enredo e tudo mais, eu vou deixar que a sinopse fale sobre o livro em si. Então...: “Amanda Horstmann foi expulsa do time de futebol da escola, sua maior paixão, e no mesmo dia desse acontecimento descobre que sua falecida mãe compôs uma música para seu pai enquanto ainda era viva. Motivada por essa descoberta, decide aprender a tocar a música para seu pai na esperança que ele volte a sorrir como antes, mas há um problema: ela mal sabe segurar um violão. É nesse momento que Fernando Amargo, filho do ex-treinador de futebol da Amanda e ex-guitarrista de uma banda de rock, surge em sua vida precisando de aulas de futebol – queira ele admitir ou não. 
O que você faria diante dessa situação? Bom, o que você faria eu não sei; Amanda e Fernando decidiram fazer uma troca, e agora os dois têm até novembro para conseguir alcançar seus objetivos. Mas o que acontece quando um garoto se submete a ter aulas de futebol com uma garota? E como fica seu coração ao ajudar o filho da pessoa que você mais detesta, realizar um sonho que é seu? E o que fazer quando recuperar o sorriso do seu próprio pai te leva a caminhos incertos?
Novembro é um romance emocionante e divertido que narra a história de uma garota obstinada a fazer seu pai feliz e a tentar conhecer mais sobre a mãe que nunca teve, nem que isso signifique ter que adiar seu maior sonho. É o primeiro livro de uma série que te prenderá do primeiro ao segundo tempo.



O que o público pode esperar de “Novembro”?
Diversão, drama... É um livro que já arrancou muitos sorrisos, risadas e lágrimas de quem já leu. Eu me diverti e chorei enquanto escrevia, então acho que essas emoções estão em cada uma das palavras que escrevi, e o leitor pode sentir isso.

Qual é sua inspiração para escrever? E quais são os escritores que usa como referência?
Para um escritor, tudo é inspiração. É ridículo, mas uma paisagem, uma melodia, uma fotografia, uma folha caindo de uma árvore, enfim, as coisas mais simples desencadeiam inspirações para as histórias mais fortes. Mas a minha maior inspiração para continuar escrevendo são meus próprios leitores. Sem eles eu não teria saído do primeiro capítulo.
Meg Cabot para mim é uma baita referência. Nem tanto pela escrita, mas pelo o que ela sofreu até chegar a ser uma best-seller. Me identifiquei com o que ela passou no começo da carreira (espero me identificar com o meio da carreira dela também hahaha). Mas os escritores que me inspiram muito é a Sara Gruen e o Chico Anes. Espero um dia tocar as pessoas com os meus livros da mesma maneira que eles me tocaram com os deles. As personagens deles são reais, têm vida mesmo... É incrível!

Se você pudesse viver a vida de um personagem tirado nas páginas literárias, qual seria? E por quê?  
A Dorothy do Mágico de Oz. Mágico de Oz é meu livro favorito, talvez seja por isso. Mas, também escolho ela porque, embora ela esteja perdida, encontra forças para ajudar outras pessoas e faz isso de bom grado. Ela não é egoísta.

O que a literatura significa pra você? 
Liberdade. De pensamentos, escolhas... Liberdade da própria realidade.

Se a sua casa estivesse pegando fogo e você só pudesse salvar um livro, qual seria? 
Eu entraria em desespero porque eu tenho um monte de livro autografado hahaha. Mas, se fosse um só... Acho que seria a primeira edição de O Mágico de Oz que eu tenho, que foi um dos primeiros livros que eu li.

Qual é seu sonho dentro da Literatura? 
É um sonho bem egoísta, mas o que eu mais quero é publicar meus livros haha. Mas, também quero que os preços dos livros no Brasil caiam um pouco, e não aumentem como é a tendência.

O que você tem de Estranho ao seu Modo? 
Não sei, acho que tudo, haha. Eu sou a pessoa mais estranha que eu conheço, haha. Mas, uma das minhas manias mais estranhas é sempre fazer barcos de papel com QUALQUER papel que caia nas minhas mãos. Desde que eu aprendi a fazer a dobradura, eu não paro mais. Já fiz barcos de papel com guardanapo de lanchonete, papel de trident, papel de bombom...

Indique um livro e um filme para os leitores do blog. 
Não vou conseguir indicar só um livro, então vou indicar alguns que não são tão conhecidos assim. Eu indico “Água para Elefantes”, “A Casa dos Macacos” (ambos da Sara Gruen), “O Sonho de Eva” (do Chico Anes), “A Lista Negra”, “A Casa do Sono”, “O Céu Está Em Todo Lugar”, “O Clube do Filme” e “Por Isso a Gente Acabou”. O filme que eu indico é “O Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”. Meu favorito.