quinta-feira, 11 de abril de 2013

Jornal Cândido e a hegemonia do romance


Chegou a 21ª edição do Jornal Cândido. E em pauta está a discussão da hegemonia do Romance entre os gêneros literários no século XXI. Os exemplares são distribuidos na Biblioteca Pública do Paraná, e em diversos pontos culturais de Curitiba. Mas se preferir, é possível ler a versão online.

O romance atravessou os últimos 100 anos sob constante ameaça, com o advento do cinema, e da TV. Mas, apesar de sua mosrte decretada, ele resistiu, e chega aos dias atuais com o status de mais popular estilo narrativo.

O jornal da BPP ouviu leitores, acadêmico e editores, que explicam essa aparente contradição do gênero. Em ensaio sobre suas origens, a professora de literatura da PUC- Rio, Daniela Beccaccia Versiani, fala sobre a importância de Dom Quixote, um dos marcos do gênero, e traça as principais mudanças que a longa narrativa adquiriu até a publicação de Ulisses, o livro escrito pelo irlandês James Joyce que provocou uma verdadeira cisão na literatura mundial.

Na seção Perfil do Leitor, um dos mais importantes produtores musicais da cena curitibana, Cyro Ridal, revela suas preferências literárias, que vão de clássicos como Rainer Maria Rilke e Rimbaud a escritores mais próximos da contracultura, como Sam Shepard e Jack Kerouac. A controversa obra do escritor francês Louis Ferdinand Céline, Viagem ao fim da noite é recontada na seção Making Of.

Entre os inéditos, Luiz Andrioli vai Em Busca de Curitiba com o conto Passagem marcada, André de Leones publica trecho de seu romance Terra de casas vazias, previsto para ser lançado ainda neste mês. A 21ª edição do Cândido ainda traz o conto Samba em dor maior, do londrinense Rogério Ivano, e poemas do ex-crítico musical e vocalista da banda Maria Angélica não mora mais aqui, Fernando Naporano, que faz sua estreia literária.