segunda-feira, 29 de abril de 2013

CONTA MAIS!

Hoje é o dia da Aline Carlixto Marques Britto, 32 anos, contar um pouco mais sobre sua vida, paixões e beleza!

Advogada por formação e pós-graduada na área, Aline aprende o Direito no seu dia-a-dia de trabalho. Mas, o seu coração escolheu a fotografia como profissão. E assim ela equilibra os dois lados, e segue em frente.

Linda e meiga, amiga e sincera, ela encanta por onde passa, mas não se iluda, sempre que é necessário a Aline assume a pose séria, daquelas pessoas que sabem o que querem, e melhor ainda, sabem que podem querer.

Em suas belas fotos é possível ver um pouco mais sobre o universo feminino. Vamos acompanhar agora, a entrevista exclusiva da fotógrafa para o Estranho ao meu Modo!


Quem é a Aline? O que a inspira a fotografar?
Bom, a Aline é uma pessoa simples, apaixonada pela vida e pela família. Amo meus pais por tudo que me ensinaram e pelo imenso apoio que me dão em tudo que eu faço. Amo meu marido, que também é meu incentivador na fotografia, e mais que amo meu filho que se tornou a razão de tudo e para quem eu dedico tudo que faço.  Gosto de viver intensamente! Quando tenho vontade de fazer alguma coisa vou lá e faço. Porque o que importa mesmo nessa vida é ser feliz!
Acho que na fotografia tudo passa a ser inspiração. Um belo dia de sol ou de chuva, a natureza, a arquitetura, as pessoas, uma viagem... talvez minha maior inspiração na fotografia seja a possibilidade de ser eu mesma, de mostrar o que penso e o que vejo, o meu olhar sobre as coisas ou pessoas que fotografo.

Quando começou seu interesse pela fotografia? 
Desde pequena gosto de fotografia, talvez por influência do meu pai que adorava clicar as duas filhas! Isso na época do filme, em que as fotografias eram pensadas e tudo milimetricamente enquadrado para evitar desperdício! Em 2011 decidi fazer meu primeiro curso básico de fotografia, oferecido pela OAB, acreditem! Eu queria respirar novos ares e, claro, foi paixão logo de cara! A partir daí não parei mais!
A fotografia, além de tudo, me proporcionou conhecer pessoas incríveis, que vou guardar pra sempre no coração. Como não amar? rs



Como é seguir com os extremos de advogada e fotógrafa, a primeira sendo muito mais séria que a outra? 
Por enquanto estou conseguindo conciliar as duas coisas, pois em ambas os meus horários são bem flexíveis. Mas não diria que uma é mais séria que a outra, as duas profissões exigem dedicação e responsabilidade. Acho sim que a advocacia requer um pouco mais de formalidade, talvez por isso eu goste tanto da fotografia! 

Em seus trabalhos fotográficos é constante a figura feminina, por quê? 
Gosto da figura feminina, seus encantos e contradições, sua delicadeza e sua força, sua beleza. Gosto do mistério e da loucura que há em toda mulher. Admiro profundamente a alma feminina!

Qual é o seu sonho dentro da fotografia?
Fotografar sempre e aprender cada dia mais!

Se pudesse escolher qualquer pessoa, quem gostaria de fotografar?
Já que você mencionou que a figura feminina está muito presente em meus trabalhos, vou citar duas mulheres: Grazi Massafera, pela beleza natural e Maria Rita, pelo charme e energia pura.




Qual é seu pior defeito e sua melhor qualidade?
Nossa defeitos tenho vários, claro, mas um muito feio é o orgulho.
Acho que a minha melhor qualidade é a sinceridade. Quando não gosto de alguma coisa ou de alguém, fica estampado na minha cara, não tem como disfarçar. Mas em compensação quando eu gosto, é de coração aberto!

O que você tem de estranho ao seu modo?
Sou viciada em manga verde com sal! Hahaha

Se você soubesse que é sua última refeição, o que comeria, quem a faria companhia, e o que ouviria?
Nossa adoro comer, seria difícil escolher uma única última refeição, mas acho que escolheria um bom churrasco, na companhia da minha família (já que meu marido e meu filho também adoram), e a música seria com certeza MPB e samba.

Qual foi sua melhor viagem?
Difícil dizer, cada lugar que conheço e visito pela primeira vez é encantador, porque é desconhecido. Mas uma viagem muito especial foi Paris, onde passei minha lua de mel. Era um sonho pra mim e aquela cidade superou todas as minhas expectativas. Simplesmente linda, charmosa, encantadora, romântica, completamente harmoniosa e feminina (claro). Inspiração pura para a fotografia.


Quais são suas referências fotográficas?
Quando comecei a estudar fotografia, o primeiro nome que apareceu nas aulas foi Cartier Bresson, e claro que não podia ser diferente, ele é mesmo uma referência mundial. Gosto muito do modo como ele via e pensava a fotografia. Acho incrível a trajetória de Anie Leibovitz. Lembro que fiquei fascinada por um documentário que vi sobre ela. Não posso deixar de mencionar a fotógrafa e professora com a qual tive o privilégio de ter aula, que me ensinou muito sobre fotografia e sobre a vida, a querida Michelle Serena; e também o fotógrafo Guilherme Puppo, meu primeiro professor de fotografia, admiro muito seu trabalho na área de fotojornalismo. Adoro os retratos do fotógrafo carioca Jorge Bispo, e a simplicidade com que ele fala sobre fotografia.
A lista é imensa e acho que se eu começasse a citar, ficaria cansativo, mas posso dizer que admiro vários fotógrafos curitibanos que me ajudam a aprimorar o olhar com suas belas imagens.


Indique um filme e um livro para os leitores.
Um filme que pra mim é uma grande lição de vida e um incentivo para que ninguém desista de lutar pelos sonhos: “A procura da felicidade”.  Livro, vou citar um que li recentemente e que me deixou encantada: “Quarto” (Emma Donoghue), cuja narrativa é de um menino de cinco anos. Super recomendo a leitura.