domingo, 6 de novembro de 2011

O Grafite na Virada Cultural

Jorge Galvão, com seu estilo único.


A Fundação Cultural em parceria com o Coletivo de Arte Mucha Tinta começaram a colocar em prática hoje (05), na Virada Cultural, o projeto de arte que leva grafiteiros à Praça Tiradentes, para colorir 25 portas, frente e verso, com suas tintas e seus estilos.

As ações dos artistas foram divididas por horários, iniciando no sábado (05) às 14h e terminando no domingo (06) às 14h, completando assim 24 horas. Depois de prontas, as portas serão doadas para a FAS (Fundação de Assistência Social) e leiloadas, beneficiando os projetos de assistência social da Fundação.

A presidente da Fundação Cultural, Roberta Storelli, acredita que não deve haver preconceito, pois o grafite também é arte. “Havia e ainda há preconceito, mas só quando a pichação agride a cidade, diferente do grafite que a embeleza. A arte só faz bem, e é possível de ser feita em qualquer lugar, e ser exposta gratuitamente para todos verem”, conta Storelli. E ainda acrescenta que se tivesse a oportunidade cederia seu muro a um grafiteiro.


Diogo César, pintando sua porta.


O artista Diogo César, enquanto pinta sua porta, diz sua opinião sobre o grafite. “Apareceu uma parede nós estamos fazendo, simples assim. E ela vai ser única, sem nada igual”. E completa dizendo que esta arte leva cor, sentimento e vida para a cidade.  

Assim como a produtora do Mucha Tinta que diz muito animadamente : “Eu quero colorir o mundo”, os grafiteiros Renato Faccini, Celestino Dimas, Rômolo, Diogo César, Guilherme Caldas, Jorge Galvão, Thiago Syen, Mikimba, Francisco Gusso, Guilherme Santana, Fernando Rosenbaum, Olho Wodzynski, David Heal, Juliano Domingues, DW Ribatski, Bozo Krusty, Eduardo Berbel, Etiene Pellizari, Fernando Franciosi, Mariana Zarpellon, Denise Kim, Rimon Guimarães, Thiago Mild, Fred Freire e Café, também querem, e estão colorindo.